O plano do Facebook com drones e lasers para levar internet a todos

O projeto Internet.org, do Facebook, quer que o mundo inteiro esteja online. Mas como? Eles tomam algumas medidas mais convencionais – como fazer parceria com operadoras locais – e outras mais ambiciosas: a rede social planeja usar drones, satélites e até mesmo lasers para levar internet a mais lugares.

Mark Zuckerberg falou pela primeira vez sobre o Connectivity Lab, um grupo no Facebook dedicado a “desenvolver novas plataformas de conectividade no solo, no ar e em órbita”. Isso significa “criar drones, satélites e lasers que levam internet para todos”, diz Zuckerberg.

A equipe está trabalhando há algum tempo, e agora tem parceria com a Ascenta. Esta empresa britânica criou o Zephyr, drone movido a energia solar que marcou um recorde: ele voou por duas semanas sem precisar de qualquer manutenção. O Internet.org também conta com o apoio de organizações como Samsung, Nokia e NASA.

E rumores dizem que o Facebook pode comprar a Titan Aerospace, montadora de drones, para ter uma frota própria de veículos não-tripulados levando internet pelo ar. A CNBC diz que a compra foi “confirmada” no valor de US$ 60 milhões, mas ainda não foi anunciada oficialmente.

Fora isso, os detalhes são escassos: por exemplo, como esses drones vão transportar internet para os lugares? Não sabemos. Por enquanto, o Facebook só tem algumas ideias mais gerais de como isso tudo funciona.

O projeto Google Loon, que quer usar balões para cobrir o mundo em Wi-Fi, tem seus detalhes mais definidos. Já vimos como ele funciona, e a empresa já realizou testes na Nova Zelândia. O governo brasileiro até discutiu a possibilidade de usar o conceito do Loon por aqui.

Os drones do Facebook são um projeto maluco e de longo prazo. Talvez eles nunca se tornem realidade. Se fosse outra empresa, ficaríamos mais céticos; mas se aquisições como a Oculus apontam algo, é que o Facebook está claramente se preparando para algo que virá daqui a anos e anos.

E, claro, o Internet.org não se resume apenas a drones: Zuckerberg lembra que, “durante o ano passado, nosso trabalho nas Filipinas e Paraguai… ajudou 3 milhões de pessoas a acessarem a internet”. Um ato altruísta para mudar o mundo, ou uma jogada para conquistar outro bilhão de usuários para o Facebook? Só o tempo dirá. [Internet.org via Facebook via Gawker via Gizmodo]

Deixe seu comentário